Lavrar ou não lavrar: Um debate aberto

by Arlene Barclay | Set 12, 2023

Lavrar ou não lavrar – esta é uma questão altamente controversa que tem estado na vanguarda de muitos debates agrícolas.

Um dos principais factores que contribuem para a erosão do solo é a prática simples (e amplamente utilizada) de lavrar a terra. Esta abordagem existe há milhares de anos e é a pedra angular dos sistemas agrícolas modernos.

No entanto, existe outra forma de cultivar. O plantio direto é uma abordagem que ganhou força na década de 70 e vem ganhando força lentamente. Apesar dos seus muitos benefícios, não é tão preto no branco como parece.

Para os agricultores que procuram recuperar as suas terras, escolher entre lavoura, plantio direto, herbicidas e não herbicidas é uma corda bamba.

Neste blogue, exploraremos as vantagens e desvantagens destas práticas e se existe uma alternativa viável.

COMPREENDER AS PRÁTICAS ACTUAIS

Lavoura

A lavoura é a prática de preparar o solo para a plantação, escavando-o, remexendo-o ou revirando-o.

É frequentemente efectuada com ferramentas mecânicas, como um disco ou um arado, que cavam 25-30 cm no solo. Esta prática permite quebrar a compactação do solo, eliminar as ervas daninhas e arejar o solo. Esta abordagem permite obter ganhos a curto prazo, mas tem frequentemente consequências a longo prazo.

A consequência mais proeminente é o impacto das práticas na erosão do solo. A lavoura afecta negativamente a estrutura e os agregados do solo, deixando-o solto, exposto e vulnerável à erosão. Este facto tem enormes repercussões na capacidade de retenção de água do solo e na sua capacidade de resistir a condições meteorológicas extremas.

Além disso, a lavoura também liberta carbono sequestrado do solo de volta para a atmosfera, danifica microorganismos essenciais e consome muitos recursos.

 

Plantio direto convencional

O plantio direto é o ato de não lavrar a terra. A prática utiliza ferramentas que limitam a perturbação do solo, como um semeador direto. Existem muitos benefícios, mas o mais notável é a sua capacidade de reduzir os custos dos factores de produção.

A lavoura convencional exige que os agricultores realizem várias passagens sobre o campo, primeiro lavrando o solo e depois voltando para plantar sementes. Ao praticar o plantio direto, os agricultores podem economizar significativamente em mão de obra, combustível e tempo. Um estudo concluiu que as despesas de combustível com o plantio direto foram reduzidas em 50-80%.

Atualmente, muitos sistemas convencionais de plantio direto dependem de herbicidas para matar os resíduos das culturas e as ervas daninhas. Isto abre outra lata de vermes no contexto dos impactos ecológicos negativos.

 

Herbicidas e glifosato

Existem inúmeros herbicidas no mercado. Mas, de longe, o mais utilizado é o glifosato. A razão para tal é o facto de ser económico e extremamente eficaz naquilo que promete fazer.

Mas, infelizmente, a sua “eficácia” é também a sua maior desvantagem. Quando o glifosato é pulverizado, entra na seiva da planta e espalha-se pelo sistema radicular. É um herbicida não seletivo, o que significa que mata todas as plantas vivas com que entra em contacto.

O resultado? Aumento da dependência de factores de produção sintéticos e de culturas geneticamente modificadas, aumento de ervas daninhas resistentes aos herbicidas, diminuição da biodiversidade, efeitos prejudiciais para a saúde humana e poluição dos cursos de água.

Normalmente, o glifosato é neutralizado e degradado pelos micróbios do solo após algum tempo. No entanto, há cada vez mais provas de que está a permanecer no solo.

Estão disponíveis diferentes classes de herbicidas como alternativa ao glifosato – que não têm efeitos tão prejudiciais para o ecossistema em geral.

Por exemplo, os herbicidas selectivos visam ervas daninhas específicas em vez de todas as plantas que tocam, enquanto as alternativas não residuais se degradam mais rapidamente em vez de permanecerem no solo.

Se for necessário utilizar herbicidas, é crucial tomar uma decisão informada e aplicar o melhor herbicida (e apenas a quantidade necessária) para o seu contexto.

QUAL É A ALTERNATIVA?

Pode parecer que os agricultores estão num beco sem saída, seja qual for o caminho que sigam. Mas existem alternativas.

Um dos principais objectivos da agricultura regenerativa é melhorar os recursos que utiliza em vez de os esgotar. Dá grande importância à saúde do solo, ao mesmo tempo que sequestra CO2 da atmosfera, aumenta a biodiversidade das explorações agrícolas e melhora a gestão da água.

Minimizar a perturbação do solo e a aplicação de produtos químicos são técnicas fundamentais associadas a este estilo de gestão. Mas o que é que isto significa na prática?

Plantio direto orgânico

O plantio direto orgânico é uma abordagem de plantio direto que também não utiliza insumos sintéticos. Os agricultores podem aproveitar os enormes benefícios associados à agricultura de plantio direto, evitando os efeitos prejudiciais do uso de herbicidas sintéticos.

A abordagem utiliza equipamento especializado, como um frisador de rolos e um semeador direto, bem como práticas inovadoras como a cultura de cobertura multi-espécies.

Um rolo crimper é um tambor cheio de água com lâminas fixadas na parte frontal. À medida que passa sobre a cultura de cobertura, corta as plantas. A cultura permanece então no solo para formar uma camada espessa de cobertura vegetal que sufoca as ervas daninhas. Depois de as sementes serem plantadas com um semeador direto, a cultura de rendimento cresce através da cobertura vegetal.

Desde a redução da erosão, à redução dos custos dos factores de produção, à poupança de tempo e ao aumento da saúde do ecossistema, há uma longa lista de benefícios associados a esta abordagem. No entanto, não está isento de desafios.

Os agricultores que adotam o plantio direto orgânico dependem das condições climáticas e de que as coisas ocorram conforme o planeado. Se a chuva chegar demasiado cedo ou demasiado tarde, o engate no momento certo será um desafio. E quando se trata de culturas de cobertura, o momento certo é tudo.

Rick Clark, um agricultor sediado nos EUA, obteve resultados incríveis com o plantio direto orgânico. Sublinha que é difícil e aconselha os agricultores a fazerem uma transição sustentável.

As economias anuais de Rick Clark na sua exploração de 3.000 hectares

Gasóleo

Azoto

Fosfato

Potássio

Cal

Agroquímicos

Sementes

£50,936

£489,414

£270,189

£280,705

£101,927

£390,722

£84,939

Fonte: Farmers Weekly ‘O sistema orgânico de plantio direto economiza £1,6 milhões em custos anuais para o produtor americano’

Lavoura mínima/em faixas

A utilização de máquinas que consomem muito combustível pode ser reduzida significativamente através da lavoura mínima e da lavoura em faixas.
A lavoura mínima é o ato de lavrar o solo 15 cm ou menos antes de semear. Ao limitar o número de passagens de cultivo, reduz a perturbação do solo e controla as ervas daninhas.

Quando se trata de lavoura em faixas, em vez de lavrar todo o campo, os agricultores lavram estrategicamente parcelas mais pequenas onde as sementes são semeadas.

Ambas as abordagens oferecem um meio-termo para os agricultores que pretendem evitar os danos causados pela lavoura profunda e pela aplicação de herbicidas sintéticos ou iniciar a transição para um sistema sem perturbações do solo.

Compreender o seu contexto

Não existe uma forma de cultivar que sirva para todos. No final do dia, os agricultores precisam de aplicar a melhor abordagem para o seu contexto.

Os benefícios da transição para um sistema que dá prioridade à saúde do solo e à abundância ecológica são inigualáveis. Mas estas coisas não acontecem de um dia para o outro. É irrealista assumir que os agricultores podem deixar de lavrar ou aplicar herbicidas e que o processo está concluído.

Um plano de transição bem elaborado é fundamental para minimizar os riscos. Através do nosso Programa Carbon+, pode aceder ao apoio necessário para tornar isto possível.

O resultado final

Não estamos aqui para dar prescrições. Sabemos que evitar a lavoura e os herbicidas pode ser um desafio. Mas compreender verdadeiramente por que razão está a utilizar estas ferramentas, as consequências da sua aplicação e se existe uma alternativa melhor fará toda a diferença para a saúde da sua exploração agrícola.

Já vimos as consequências da proibição súbita de insumos sintéticos. Estratégias mal concebidas e mal executadas que não apoiam a transição dos agricultores não são o caminho a seguir.

O nosso Programa Carbon+ desarticula a sua transição. Fornece o apoio financeiro, social e educacional necessário à medida que embarca na viagem de recuperação das suas terras.

Quer apoio para implementar a agricultura regenerativa?